Tuesday, September 7, 2010

One African God in Rio

It seems that someone has lost a small sculpture on the street. We photographed this little head on the sidewalk near our home. He looks like a deity or an idol out of African polytheism. Brazil is a country of multiple religions. Predominantly Catholic, lives with religions and sects of all faiths.

Parece que alguém perdeu uma pequena escultura na rua. Nós fotografamos esta pequena cabeça na calçada perto de nossa casa. Ele se parece com uma divindade ou um ídolo saído do politeísmo africano. O Brasil é um país de múltiplas religiões. Predominantemente católico, convive com religiões e seitas de todos os credos.








 
















But no! There is an idol! It's just a work of Mother Nature! It is a dried flower, fallen from a tree on the sidewalk!

Mas, não! Não é um ídolo! É apenas um trabalho da mãe Natureza! É uma flor seca, caída da árvore na calçada!



















© Rio Daily Photo The photos in this blog are intellectual property. If you are interested in any of them, ask us!
As fotos deste blog são propriedade intelectual. Se você se interessa por alguma delas, peça-nos!

No comments:

Post a Comment

Thanks for your comment!

Related Posts with Thumbnails

Why?

Le véritable voyage de découverte ne consiste pas à chercher de nouveax paysages, mais à avoir de nouveaux yeux. (Marcel Proust)



[Click on the images to enlarge them.]


Here we are

Here we are

What time is it in Rio?

Compteur de visiteurs en lignes

What about the weather?

Who, where or when?

What?

We walk by the streets of our city and very often we don’t realize its images, which are there and which suddenly are not any more.

To photograph and glance is to guard images, impressions. It is also to re-discover the space where we live, our imaginary and scenario of our lives.

Our glance is not enough. It is necessary that others look what we see.

Andamos pelas ruas de nossa cidade e muitas vezes não percebemos suas imagens, que estão ali e que de repente não estão mais.

Fotografar e olhar é guardar imagens, impressões. É também redescobrir o espaço em que vivemos, nosso imaginário e cenário de nossas vidas.

Nosso olhar não basta. É preciso que outros olhem o que vemos.


Who see me?

To whom?

Bookmark and Share