Thursday, February 4, 2010

Behind the wall

Closed doors, high walls always attract my attention. I'm always curious to know what's behind them. The Gávea is a very quiet neighborhood with many homes. This door - or gate - is from one of the houses from the top of Gávea. What could be behind it? Why a door so small and low on a wall so high?

In Brazil colony was established the practice of the service doors. The slaves and later the employees could only use the entries for them. And in general these doors were always humble, no frills and unattractive. This seems to be one such entry. But we never know.


Portas fechadas, muros altos sempre me chamam a atenção. Vivo curiosa para saber o que há por trás deles. A Gávea é um bairro bastante sossegado, com muitas casas e na maioria residências. Esta porta - ou portão - é de uma das casas do alto da Gávea. O que haveria por trás dele? Por que uma porta tão pequena e baixa num muro tão alto?


No Brasil colônia, foi instituída a prática das portas de serviço. Os escravos e mais tarde os empregados só podiam utilizar as entradas destinadas a eles. E em geral tais portas eram sempre mais humildes, sem ornamentos e sem atrativos. Esta parece ser uma entrada deste tipo. Porém nunca se sabe.

1 comment:

Thanks for your comment!

Related Posts with Thumbnails

Why?

Le véritable voyage de découverte ne consiste pas à chercher de nouveax paysages, mais à avoir de nouveaux yeux. (Marcel Proust)



[Click on the images to enlarge them.]


Here we are

Here we are

What time is it in Rio?

Compteur de visiteurs en lignes

What about the weather?

Who, where or when?

What?

We walk by the streets of our city and very often we don’t realize its images, which are there and which suddenly are not any more.

To photograph and glance is to guard images, impressions. It is also to re-discover the space where we live, our imaginary and scenario of our lives.

Our glance is not enough. It is necessary that others look what we see.

Andamos pelas ruas de nossa cidade e muitas vezes não percebemos suas imagens, que estão ali e que de repente não estão mais.

Fotografar e olhar é guardar imagens, impressões. É também redescobrir o espaço em que vivemos, nosso imaginário e cenário de nossas vidas.

Nosso olhar não basta. É preciso que outros olhem o que vemos.


Who see me?

To whom?

Bookmark and Share