Thursday, November 26, 2009

Here comes the sun ...



In the heart of Rio, at the so called Cinelândia (Movieland, in a quick translation) , where everything happens, from political demonstrations to music festivals, including the famous Gay Pride parade, is one of the best known bohemian bars of Rio de Janeiro: Bar Amarelinho - the Little Yellow. True to its name, all outside the building is painted of yellow. Its awning is yellow. Its tables and chairs are yellow. Like the best beer in town. Also inside, the yellow predominates. Yellow of the sun, the heat of summer. All the year.

No coração do Rio, na chamada Cinelândia, onde tudo acontece, desde manifestações políticas até festivais de música, passando pelas famosas Paradas Gay, está um dos mais conhecidos bares da boêmia do Rio de Janeiro: o Bar Mamarelinho. Fazendo jus ao nome, todo o exterior do prédio é pintado de amarelo. Seu toldo é amarelo. Suas cadeiras e mesas são amarelas. Assim como o melhor chope da cidade. Também em seu interior predomina o amarelo. Amarelo do sol, do calor de verão. O ano todo.

2 comments:

  1. Beautiful warm and inviting colors. Especially for a cold, dreary, rainy day in Salem.

    ReplyDelete

Thanks for your comment!

Related Posts with Thumbnails

Why?

Le véritable voyage de découverte ne consiste pas à chercher de nouveax paysages, mais à avoir de nouveaux yeux. (Marcel Proust)



[Click on the images to enlarge them.]


Here we are

Here we are

What time is it in Rio?

Compteur de visiteurs en lignes

What about the weather?

Who, where or when?

What?

We walk by the streets of our city and very often we don’t realize its images, which are there and which suddenly are not any more.

To photograph and glance is to guard images, impressions. It is also to re-discover the space where we live, our imaginary and scenario of our lives.

Our glance is not enough. It is necessary that others look what we see.

Andamos pelas ruas de nossa cidade e muitas vezes não percebemos suas imagens, que estão ali e que de repente não estão mais.

Fotografar e olhar é guardar imagens, impressões. É também redescobrir o espaço em que vivemos, nosso imaginário e cenário de nossas vidas.

Nosso olhar não basta. É preciso que outros olhem o que vemos.


Who see me?

To whom?

Bookmark and Share